sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Atendimento personalizado: via e-mail, skype, telefone e WhatsApp.

/ /







Atendo pessoas que ainda não conseguem ter um relacionamento duradouro, ainda não encontraram o parceiro de suas vidas.



Pessoas que estão num relacionamento conflituoso. Algumas me procuram já decididas pela separação e outras decididas a salvar seu relacionamento. Vejo pessoas desistindo da separação quando antes já estavam decididas por ela, e pessoas que optam por uma separação quando esta alternativa ainda não lhes parecia tão clara.



Pessoas que ainda estão ligadas ao sofrimento daquele momento ou ao ex-parceiro e por isso não conseguem levar a vida adiante.



Pessoas que querem reconquistar o (a) ex.




Para todos os casos, meus clientes compreendem que a vida vale a pena ser vivida em sua mais profunda intensidade. Que momentos simples e singelos são tão significativos quanto datas especiais, e que vale a pena investirmos nos nossos relacionamentos. Casais felizes fazem uma sociedade melhor.



Andreia Fargnoli: Especializada em relacionamentos.



Atendimentos  via e-mail, telefone e Skype e agora WhatsApp   para todos os países. 

Clientes de outros países: Transferências podem ser feitas por  Western Union.

Consulte valores no:

dicasderelacionamento@hotmail.com

Andreia Fargnoli




Participe da nossa página no Facebook: clique aqui


sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Homem Fiel.

/ /
Lendo na internet o texto de Arnaldo Jabor  já publicado aqui anteriormente, mas agora com uma admirável resposta da Thais Nakamine, leiam:
“Não existe homem fiel. Você já pode ter ouvido isso algumas vezes, mas afirmo com propriedade. Não é desabafo. É palavra de homem que conhece muitos homens e que conhecem, por sua vez, muitos homens. Nenhum homem é fiel, mas pode estar fiel ou porque está apaixonado (algo que não dura muito tempo – no máximo alguns meses – nem se iluda) ou porque está cercado por todos os lados (veremos adiante que não adianta cercá-lo (isso vai se voltar contra você)…A única exceção é o crente extremamente convicto. Se você quer um homem que seja fiel, procure um crente daqueles bitolados, mas aguente as outras consequências.
Não desanime. O homem é capaz de te trair e de te amar ao mesmo tempo. A traição do homem é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia. Não é como a da mulher. Mulher tem que admirar para trair; ter algum envolvimento. O homem só precisa de uma banda. A mulher precisa de um motivo para trair, o homem precisa de uma mulher.
Não fique desencantada com a vida por isso. A traição tem seu lado positivo. Até digo, é um mal necessário. O cara que fica cercado, sem trair, é infeliz no casamento, seu desempenho sexual diminui (isso mesmo, o desempenho com a esposa diminui), ele fica mal da cabeça. Entenda de uma vez por todas: homens e mulheres são diferentes. Se quiser alguém que pense como você, vire lésbica (várias já fizeram isso e deu certo), ou case com um gay enrustido que precisa de uma mulher para se enquadrar no modelo social. Todo ser humano busca a felicidade, a realização. E a realização nada mais é do que a sensação de prazer (isso é química, está tudo no cérebro).
A mulher se realiza satisfazendo o desejo maternal, com a segurança de ter uma família estruturada e saudável, com um bom homem ao lado que a proteja e lhe dê carinho. O homem é mais voltado para a profissão e para a realização pessoal e a realização pessoal dele vêm de diversas formas: pode vir com o sentimento de paternidade, com uma família estruturada etc. Mas nunca vai vir se não puder ter acesso a outras fêmeas e se não puder ter relativo sucesso na profissão.
Se você cercar seu homem (tipo, mulher que é sócia do marido na empresa), o cara não dá um passo no dia-a-dia (sem ela) você vai sufocá-lo de tal forma que ele pode até não ter espaço para lhe trair, mas ou seu casamento vai durar pouco, ele vai ser gordo (vai buscar a fuga na comida) e vai ser pobre (por que não vai ter a cabeça tranquila para se desenvolver profissionalmente (vai ser um cara sem ambição e sem futuro).
Não tente mudar para seu homem ser fiel. Não adianta. Silicone, curso de dança sensual, se vestir de enfermeira etc… Nada disso vai adiantar. É lógico que quanto mais largada você for, menor a vontade do homem de ficar com você e maior as chances do divórcio. Se perfeição adiantasse, Julia Roberts não tinha casado três vezes. Até Gisele Bündchen foi largada por Di Caprio. Não é você que vai ser diferente (mas é bom não desanimar e sempre dar aquela malhadinha).
O segredo é dar espaço para o homem viajar nos seus desejos (na maioria das vezes, quando ele não está sufocado pela mulher, ele nem chega a trair, fica só nas paqueras, (troca de olhares). Finja que não sabe que ele dá umas pegadas por fora. Isso é o segredo para um bom casamento. Deixe ele se distrair, todos precisam de lazer.
Se você busca o homem perfeito, pode continuar vendo novela das seis. Eles não existem nesse conceito que você imagina. Os homens perfeitos de hoje são aqueles bem desenvolvidos profissionalmente, que traem esporadicamente (uma vez a cada dois meses, por exemplo), mas que respeitam a mulher, ou seja, não gastam o dinheiro da família com amantes, não constituem outra família, não traem muitas vezes, não mantêm relações várias vezes com a mesma mulher (para não criar vínculos) e, sobretudo, são muuuuuito discretos: não deixam a esposa e nem ninguém da sua relação, como amigas, familiares saberem.
Só, e somente só, um amigo ou outro dele deve saber, faz parte do prazer do homem contar vantagem sexual. Pegar e não falar para os amigos é pior do que não pegar. As traições do homem perfeito geralmente são numa escapulida numa boate, ou com uma garota de programa (usando camisinha e sem fazer sexo oral nela), ou mesmo com uma mulher casada de passagem por sua cidade. O homem perfeito nunca trai com mulheres solteiras. Elas são causadoras de problemas. Isso remete ao próximo tópico.
Esse tópico não é para as esposas, é só para as solteiras e amantes.
Esqueçam de uma vez por todas esse negócio de que homem não gosta de mulher fácil. Homem adora mulher fácil. Se ‘der’ de prima então, é o máximo.Todo homem sabe que não existe mulher santa. Se ela está se fazendo de difícil ele parte para outra. A oferta é muito maior do que a procura. O mercado está cheio de mulher gostosa. O que homem não gosta é de mulher que liga no dia seguinte. Isso não é ser fácil, é ser problemática (mulher problema). Ou, como se diz na gíria, é pepino puro. O fato de você não ligar para o homem e ele gostar de você não quer dizer que foi por você se fazer de difícil, mas sim por você não representar ameaça para ele. Ele vai ficar com tanta simpatia por você que você pode até conseguir fisgá-lo e roubá-lo da mulher. Ele vai começar a se envolver sem perceber. Vai começar a te procurar. Se ele não te procurar, era porque ele só queria aquilo mesmo. Parta para outro e deixe esse de stand by. Não vá se vingar, você só piora a situação e não lucra nada com isso. Não se sinta usada, você também fez uso do corpo dele – faz parte do jogo; guarde como um momento bom de sua vida.
90% dos homens não querem nada sério. Os 10% restantes estão momentaneamente cansados da vida de balada ou estão ficando com má fama por não estarem casados ou enamorados; por isso procuram casamento. Portanto, são máximas as chances do homem mentir em quase tudo que te fala no primeiro encontro (ele só quer te comer, sempre). Não seja idiota, aproveite o momento, finja que acredita que ele está apaixonado, dê logo para ele (e corra o risco de fisgá-lo) ou então nem saia com ele. Fazer doce só agrava a situação. Estamos em 2007 e não em 1957. Esqueça os conselhos da sua avó, os tempos são outros.
Para ser uma boa esposa e para ter um casamento pelo resto da vida faça o seguinte:Tente achar o homem perfeito, dê espaço para ele. Não o sufoque. Ele precisa de um tempo para sua satisfação. Seja uma boa esposa, mantenha-se bonita, malhe, tenha uma profissão (não seja dona-de-casa), seja independente e mantenha o clima legal em casa. Nada de sufocos, de ‘conversar sobre a relação’, de ficar mexendo no celular dele, de ficar apertando o cerco etc. Você pode até criar ‘muros’ para ele, mas crie muros invisíveis e não muito altos. Se ele perceber ou ficar sem saída, vai se sentir ameaçado e o casamento vai começar a ruir.
Se você está revoltada por este texto, aqui vai um conselho: vá tomar uma água e volte para ler com o espírito desarmado. Se revoltar com o que está escrito não vai resolver nada em sua vida. Acreditar que o que está aqui é mentira ou exagero pode ser uma boa técnica (iludir-se faz parte da vida, se você é dessas, boa sorte!). Mas tudo é a pura verdade. Seu marido/noivo/namorado te ama, tenha certeza, senão não estaria com você, mas trair é como um remédio; um lubrificante para o motor do carro. Isso é científico. O homem que você deve buscar para ser feliz é o homem perfeito. Diferente disso, ou é crente, ou gay ou tem algum trauma (e na maioria dos casos vão ser pobres). O que você procura pode ser impossível de achar, então, procure algo que você pode achar e seja feliz ao invés de passar a vida inteira procurando algo indefectível que você nunca vai encontrar. Espero ter ajudado em alguma coisa.”
Arnaldo Jabor
Resposta ao “Homem perfeito”
Analisando este texto, chego à conclusão que a sensação dessa leitura é a mesma de um soco no estômago em qualquer mulher. As vezes dói saber a verdade, mas o que o autor expressou no texto, foi apenas o ponto de vista masculino. Uma visão machista em ser o homem, o macho alfa. Porém, como ele mesmo citou, os tempos são outros. Atualmente as mulheres não tratam mais os homens como a oitava maravilha do mundo. As mulheres buscam sua independência. Ainda há aquelas que são completamente submissas, mas nem tudo é perfeito. Mas acredito que a mulher tenha três tipos de estágio quando descobre uma traição:
1) a que ama e perdoa
2) a que se vinga
3) a que não está nem aí.
Não que isso se enquadre a todos os homens, inclusive às mulheres, pois tudo nessa vida há exceções. Mas segue algumas dicas, rapazes.

Lembrando, que não estamos falando de homens crentes fieis (pois existem muitos religiosos que traem) e nem de homens frustados, como o Arnaldo citou. Estamos falando de homens normais, cheio de testosterona.
Digamos que a maioria dos homens têm o direto de trair apenas uma vez, onde é o ciclo número um da mulher. A fase em que ela ainda o ama. Mas lembre-se, sua traição ativará automaticamente as demais escalas. Caso o homem não a traia, a mulher estará sempre na fase um….Ou não, pois afinal, nem tudo é perfeito. Mas seguindo o raciocínio…
Qualquer mulher que diga: “eu não aceito a traição. Termino na hora!” estará mentindo. Essas provavelmente estão sendo traídas e nem sabem. A trava no olho é tão grande que colocam seus maridos ou parceiros no pedestal de suas vidas. Coitadas!
A mulher quando descobre uma traição, sente raiva, pensa em terminar, mas o que ela mais teme: perdê-lo e entregá-lo para a amante. Automaticamente ela se pune, assumindo para si a culpa por ter sido desleixada ou incapacitada de oferecer ao seu marido tudo o que ele procura em uma mulher. Por questão de honra, ela passa a lutar para conquistá-lo novamente. Aceita o “chifre” calada, morrendo de vergonha, mas tenta reverter a situação ameaçando o marido dizendo que vai perdoá-lo, mas que será a primeira e última vez.
Obviamente o homem se sente protegido e “abençoado” pela chance recebida, dá um pé na bunda da amante e continua com a parceira.
Essa é a fase onde o homem pode desfrutar dos seus caprichos. Traiu e ainda conseguiu melhorar o desempenho da mulher. Agora ela se cuida mais, está mais esperta e atraente.
Porém, a maioria dos homens não contente, vai e trai novamente. Só que, ao invés da sua parceira agora se sentir culpada, ela passa a olhar tudo com outro ângulo. Ela começa a sentir raiva constantemente e ver que seu parceiro não a merece. Consequentemente, ela passa a cuidar de si mesma, não para ele, mas para si. Ela busca novas amizades, inclusive amigos do sexo oposto. Narra para o mais novo amigo sua infelicidade e, automaticamente, deixa cada vez mais de lado seu parceiro. Algumas mais ousadas passam a traí-los também. Nessa fase, o homem já não está nem aí pra situação, pois cego, passa a achar que está imune a qualquer tipo de traição. Mas o que ele não sabe, é que sua parceira agora mente e faz isso com tanto profissionalismo que mesmo que ele investigue, nada será encontrado.
Ativado a fase dois, o homem se sente o macho alfa. Tem o amor da sua vida em casa e suas paqueras nas ruas. Mas aí entra a fase do “não estou nem aí” essa é a pior. Pois a mulher pode até amá-lo, mas ela já não sente admiração, não sente respeito e não se importa com mais nada, além de manter as aparências. Algumas são mais éticas e preferem logo o divórcio do que viver um conflito interno. Porém a grande maioria, por comodismo ou até mesmo medo de ficarem sozinhas, aguentam caladas o peso de um casamento falido.

Mulher decente quando ama, ela ama de verdade. Ela se entrega por completo. Confia no homem a ponto de enfrentar seus pais para conviver com seu marido. Porém, quando um homem destrói essa confiança, a mulher acorda pra vida e começa e enxergar o mundo com outro ângulo. Percebe que a vida não é um conto de fadas onde o “viveram felizes para sempre” seja real. A mulher passa a ser amarga e vingativa. Quando se relaciona com outro homem, muitas vezes o usa, tratando-o como um objeto sexual. Só que isso é fase. Logo percebe que este ciclo vicioso lhe faz mal. A partir daí, ela se bloqueia ou desanda de vez.
Mas o que não da pra negar, é que para tudo há consequências. Não adianta o homem achar que somente ele sente essa vontade, pois a traição do homem é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia blá blá blá…Isso é cabeça de homem machista e burro. O homem deve estar ciente que para cada atitude há consequências. Muitos estão vivendo a fase dois ou três e nem se deram conta de tão cegos que são. Comece analisar mais a atitude de sua parceira e veja se realmente ela está sendo cínica ou infeliz.

Amigo, isso não é um texto para você se sentir ameaçado. Mas é um texto para você refletir mais e passar a entender que o homem não é a última bolacha do pacote. Procure ser honesto com sua parceira e juntos, busquem uma solução para não cair na rotina. Afinal, adultos resolvem seus problemas no diálogo. Existem diversas soluções para driblar uma traição. Mas caso você seja um desses que não consegue se conter, lembre-se: com certeza você está passando por um dos três estágios feminino.
Assim como o Arnaldo deu suas dicas, dei as minhas e espero também ter ajudado em algo.

Você se sente só às vezes? A vida dos outros parece melhor que a sua?

/ /
TODO MUNDO SÓ, TODO MUNDO FELIZ
Moças, às vezes eu passo uma faquinha de letras e deletes nas cartinhas de vocês. Tudo por questão de espaço. Mas, outras vezes, cortar muito é cortar muito. Tem dias que deixar a leitora dizer tudo é permitir que você e eu falemos ainda mais. Em silêncio.
Porque sim, eu li e eu entendi o que a nossa colega aí desovou em palavras. Sim, sim. Eu entendi mesmo.
A resposta que tenho aqui é uma não resposta. É, na verdade, uma repetição: no fim, somos todos companheiros na solidão.
Viver é ser sozinho com um monte de gente sozinha. E quando eu digo isso, eu digo isso sem nenhum pingo de tristeza ou de peso. É assim porque é assim. Uma pena tem o peso de uma pena, e uma tonelada é uma tonelada. São o que são. Pesados ou leves, apenas na comparação.

Moças, acho de verdade que estamos diante de um problema sério: nossa geração é uma geração de felicidades que se vendem como possíveis. Venho reparando – e asredes sociais são uma batatinha nesse sentido – que há um surto de sucesso, de alegria, de opinião por aí.
Uma passada de olho pelo que as pessoas postam e curtem devolve tudo aquilo que você precisa saber e ver para se sentir docemente menor que o próximo. Entendem? Eu diria que a nossa geração é a geração do fã. Você, eu, ele e ela, todo mundo aqui de repente descobriu que gosta de ser fã daquela pessoa logo ali.
Repare: seu amigo sempre fez a viagem mais sensacional. Há sempre uma foto, postada numa sexta-feira à tarde, em que um fulano, de um jeito inocente, exibe o pôr do sol que você, por trás da tela, só pode sentir por trás da tela – porque está trabalhando, porque está em casa, porque não está lá. Uma selfie é um cartaz de si mesmo. Um post, um auto-slogan.
Há sempre um sorvete inesquecível que alguém está provando e uma festa tão animada ali, acontecendo via Instagram. Seu amigo é sempre amigo de alguém importante. Seu conhecido viaja o tempo todo. Um colega abriu uma empresa e aquela mãe ali encontrou o sentido da filha… digo, da vida.

E a gente gosta. Ah, como a gente gosta. É like pra tudo que é lado. Quantos likes você já soltou hoje, hein? E numa semana? Foram quantas curtidas? E quantos você recebeu? Você chamou alguém -  uma amiga ou conhecida – de “linda”, de “musa”, de “gata” porque a amiga – ou conhecida – postou uma foto em que ela nem estava tão “gata”, “musa” e “mara” assim? Ou ela estava mesmo tudo de bom? Ah, moças. Ah, moças… Reparem, reparem: somos da geração do fã. Ou melhor, somos “a” geração do fã: temos quinhentos seguidores e seguimos seiscentos. Se você me aplaudir, eu te aplaudo. E se você me curtir, eu te curto. Mas se nada acontecer, e ninguém curtir e eu não estiver ali, observando aquele monte de vida feliz e ativa, o que eu sou?

A MATEMÁTICA DE SOMAR E CHEGAR A MENOS
Meninas, prossigo num exercício: eu posto uma opinião qualquer e dou joia numa foto qualquer. Assim, sem muito esforço, lá vem meu postulado: sou sempre um pouco menor do que aquilo que eu curto. E assim, sem muito esforço, lá vem meu segundo postulado:todo mundo é um pouquinho melhor do que o outro. O que, no fundo, faz da gente um pouco pior do que tudo.
Sim, sim. Percebem? Nós, nessa sanha de amar qualquer coisa, estamos sempre um pouco abaixo de qualquer coisa. Um pouco mais sozinhos, ao fim.
A leitora aí de cima se sente só. Ela não tem o namorado que deveria ter, não fez o filho que poderia e, sem o filho, ainda não encontrou aquele sentido de vida especial. O emprego é só um emprego, e os amigos, às vezes, são meio estranhos. No fundo, ela sente que se lesse e visse aquilo que ela é, numa rede social, ela provavelmente não  se curtiria.

Quantos likes a sua vida real receberia, hein? Quanto você se daria?
Moças, é tarde, o tempo corre e o passarinho aqui no galho não sossega. Teria muito a dizer – sobretudo sobre a vida fora da rede social, que também anda causando tanto mal –, mas vou dizer só aquilo que consigo agora.
A gente precisa começar a gostar menos de tudo. A entender que a felicidade, a vida de pôr de sol, é a vida do jeca, do pateta, do bobo, do pascácio. Que perseguir uma alegria plena, que aplaudir tudo o que os outros fazem, que esperar o aplauso do outro, no fim, é viver um tipo de escravidão feliz.
A vida não é feita de felicidade. E a felicidade não é um fim. A felicidade de verdade é aquela que acontece quando acontece, que vai embora quando vai embora, que  volta quando volta e que, quando dá vontade de ser compartilhada, é compartilhada com quem está lá para compartilhar. Nunca aqui. Ou quase nunca.

Entender que a vida é muito menos do que aquilo que a gente faz os outros pensar – e menor ainda do que aquilo que os outros fazem a gente pensar – é ver a vida em sua imensidão.
Ter ou não ter um filho nunca foi a questão. O emprego dos sonhos não existe. O amor definitivo é uma ilusão. E os amigos mudam.
Moças, ser triste, se sentir sozinho… Moças, ser feliz e estar em grupo… Tudo faz parte. Tudo acontece. Ao mesmo tempo e separado. A vida real tem feijão no dente e tem uma praia deserta. Tem silêncio incomodo e tem o riso solto. Tem trânsito e tem coqueiro. Tem o sexo inesquecível e o beijo murcho. Às vezes dá certo com um e às vezes dá errado com esse mesmo um. A vida é só isso aí mesmo, entendem? E ela não está ali, naquilo que a gente divulga pros outros e naquilo que os outros divulgam pra gente.
O amor virá quando vir. E irá se tiver de ir. Por culpa da gente e também porque não é culpa da gente. A grande viagem existe dentro da viagem terrível. Uma grande memória não tem filtro de imagem. Um sorvete inesquecível pode ser de pote e estar guardado na geladeira. Você não precisa se sentir mal por não ir àquela festa. Mas  também pode se sentir bem se for e ela, a festa, no fim, for meio ridícula. Porque a vida é só isso, aquela famosa história contada por um idiota, cheia de som, de fúria, de tropeçadas, de alegrias finitas. E de tristezas.

Digo isso com a maior das felicidades: aquela que faz a gente dormir bem, porque faz a gente entender que, no fim, viver é ir perseguindo esse entendimento, essa elevação: de alegria finita em alegria finita, fazemos uma alegria quase infinita. Não fazemos? Ah, moças.A maior das felicidades é a menor das felicidades. O maior amor é o menor amor. Porque, feitas as contas, toda história deveria ser curta mas infinita no instante em que acontece. Porque, feitas as contas, toda história que dura tempo demais acaba.
E repito esta belezinha: a maior das felicidades, moças, é aquela que faz a gente dormir bem. Não acontece sempre. Mas acontece. Quando não acontece, o passarinho ali da esquina  canta feito um doido. Agora, veja pelo lado bom. Vejo pelo lado bom: amanhã, meninas, amanhã vai dar  um sono daqueles, lascado.

Amanhã dormiremos melhor.


J. Antônio




quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Relação sexual sem proteção.

/ /
Relação sexual com penetração do pênis na vagina sem o uso de camisinha ou pílula anticoncepcional, mesmo se houver sido praticado o coito interrompido, pode engravidar, sim.
Coito interrompido não é método anticoncepcional adequado e eficiente.

Tem alguma dúvida? 

Deixe nos comentários

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

5 Dicas de Sexo Que Você Não Encontra nos Manuais

/ /



De nada adianta você ser a mulher mais bonita do mundo se, na hora de tirar a roupa, pedir pra apagar a luz. De nada adianta você ser o cara mais gato da balada se, em vez de chegar na menina, mandar o seu amigo passar recadinho de que você está interessado naquela do cabelo cacheado. Em ambos os casos, o que falta é só uma coisa: atitude. E atitude é essencial em todos os setores da vida: no trabalho, na relação com amigos e com a família, na hora de defender os seus ideais, no modo se vestir. E no sexo não haveria de ser diferente: se for pra transar com alguém sem atitude, a gente prefere a boa e velha masturbação.
Por isso, para ajudá-lo a não perder oportunidades por causa da falta de atitude, a Rapidinha de hoje traz algumas dicas de sexo que você não encontrará em nenhum manual. Porque dominar a posição do sapo cururu do avesso ou saber fazer um anal giratório é bacana, mas nada disso adiantará se lhe faltar a tão estimada atitude.

1. Explore e permita-se ser explorado.

Se for pra fazer sexo sem entrega, a gente prefere preencher uma revistinha de palavras cruzadas. Entregar-se é se abrir – literalmente – ao parceiro. É não se contentar em pegar no pau dele, é saber que ela sente prazer em muitas outras regiões do corpo que não necessariamente sejam os peitos e a buceta. Mais do que isso: é se deixar ser tocado, sem frescurinhas de “aí não pode” ou “o homem que permite qualquer tipo de contato com o seu cu é gay”. Esqueça as convenções sociais e permita-se dar e sentir prazer, independente da forma escolhida para chegar lá.

2. Expresse-se

Na terra de onde eu venho, os homens têm duas bolas, mas, infelizmente, nenhuma delas é de cristal. Por isso, se não estiver gostando daquele tipo de estímulo, fale. Se já sabe qual é o caminho certeiro pra que você chegue lá, conduza o seu parceiro. Se está extremamente excitado(a) com aquele toque ou com os movimentos que ele(a) faz com a língua, demonstre: não disfarce a respiração ofegante, não segure um gemidinho. O ministério da saúde adverte: autorrepressão causa câncer.

3. Seja intenso

Se você está na cama com alguém, é porque quis chegar lá – se não for, pare tudo e disque 190. Por isso, demonstre toda essa vontade. Pegue com firmeza. Abrace até os corpos se colarem. Beije na boca com intensidade – poucas coisas no mundo são tão excitantes quanto um beijo na boca bem dado. Aja como se amanhã não fosse haver outra oportunidade – afinal, o parceiro tem toda a liberdade de se levantar e ir embora quando quiser. Então, faça-o acreditar que você quer ficar. E que quer que ele também fique.

4. Seja sem vergonha

Nada de pensar em como as suas amigas reagiriam se soubessem que você topou um anal no primeiro encontro. Nem de encafifar com o que os seus amigos vão falar quando descobrirem que você já provou um fio-terra. Deixe os julgamentos pra lá e não tenha vergonha de nada do que acontece entre quatro paredes – como já falamos diversas vezes, se a sua calcinha está no chão, é lá que a sua vergonha deve ficar. Esqueça as estrias, as gordurinhas e as celulites. Se o outro está lá, é porque quis. Então, use o poder de excitar ao seu favor: faça contato visual, fale sacanagens, provoque. Não deixe a vergonha matar o instinto animal que existe aí dentro de você.

5. Enquanto estiver fazendo sexo, pense em sexo

Qual o sentido de estar na cama com alguém enquanto o seu pensamento está nas contas que você tem que pagar no começo da semana? Lembre-se de que todo mundo, primeiramente, goza pela mente. Por isso, abasteça a sua de sacanagens. Observe o parceiro, preste atenção em como ele é excitante, em como ele está excitado. Transe de corpo, cabeça e alma. O problema das contas a pagar você deixa pra resolver no banco.


O que o casal deve fazer para uma boa relação

/ /
ATENÇÃO > Estar emocionalmente atento ao outro. Sempre escutar o que o parceiro tem a dizer e sentir-se ouvido.
INFLUÊNCIA > Responder às necessidades do outro e a seus pedidos de atenção, conversa e conexão. Ter a capacidade de afetar emocionalmente o parceiro.
CONCILIAMENTO > Fazer com que ambos influenciem a relação e possam tomar todas as atitudes juntas, buscando um comum acordo. 
RESPEITO > Possuir uma consideração positiva pelo outro e enxergá-lo como admirável e merecedor, estimulando uma relação colaborativa e atenciosa.
INDIVIDUALIDADE > Manter uma personalidade própria. Conseguir ser você mesmo, com limites que refletem seus valores pessoais.
STATUS > Dar espaço para que ambos tenham direito de expressar suas necessidades e objetivos para o relacionamento.
VULNERABILIDADE > Estar disposto a admitir fraquezas, incertezas e enganos.
JUSTIÇA > Dividir deveres e responsabilidades de maneira que apoie o bem-estar individual e coletivo do parceiro.
REPARO > Esforçar-se conscientemente para esfriar as discussões e acalmar o outro, fazendo pausas e pedindo desculpas.
BEM-ESTAR > Promover sempre o bem-estar físico, emocional e financeiro do companheiro.

Postagens relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Siga meu Facebook